Horário de funcionamento : Segunda a sexta - 8:00h as 18:00h
  Contato : 16. 3342-3666 | 3342-2766

Todas as mensagens na Categoria: Oftalmologia

happy-woman-taking-bite-of-chocolate-bar

Você sabia? Chocolate faz bem para a visão!

Lembra que, quando você ia comer doces e acabava comendo uma formiga junto, alguém da sua família te contava que formigas fazem bem aos olhos? Isso não passa de um mito baseado apenas no fato que tamanduás comem formigas – e ninguém nunca viu um usando óculos. No entanto, tem algo ainda melhor nesta história que faz, sim, bem para os olhos: chocolate!

 

Além de reduzir a pressão arterial e impactar os níveis de colesterol de forma positiva, o chocolate – mais especificamente, os chocolates dos tipos meio-amargo e amargo – contém substâncias que fazem com que você enxergue melhor em situações de baixo contraste, como o mau tempo ou à noite, quando contamos com menos iluminação.

 

Mais um motivo para se deliciar com este alimento tão gostoso, não é?

 

Mas é claro que, ainda assim, ele deve ser consumido em moderação. O recomendado é um tablete pequeno por dia.
Comer chocolate pode até fazer bem, mas se consultar com o seu oftalmologista é essencial.

Leia mais
contatos-oculos

Óculos ou lentes: qual é a melhor opção?

É tudo uma questão de gosto. Ambos têm seu lado positivo e lado negativo – assim como situações em que é mais apropriado usar um ou o outro. Por isso, recomenda-se que a pessoa tenha sempre os dois por perto, para usar de acordo com sua necessidade.

 

Os óculos são extremamente práticos: não requerem muito esforço ao colocar e tirar e também não oferecem riscos aos olhos, por não tocá-los. Pelo mesmo motivo, não causam irritações ou coceiras neles. São ideais para quem só precisa de uma “mãozinha” na hora de ler ou dirigir, por sua facilidade.

 

Já as lentes liberam o rosto da armação – que pode ser inconveniente em grande parte das situações no dia-a-dia -, não machucam o nariz, não embaçam ou obstruem o campo de visão, podem ser usadas com óculos escuros e não escondem a maquiagem. Ou seja: são ideais para quem tem que usá-las o dia inteiro, não apenas para ações específicas.
A resposta da pergunta é, então: depende de você e da sua necessidade.

Leia mais
vl_oculos-morpheus-noguide

Saiba mais sobre a conjuntivite primaveril

Poucos sabem, mas a conjuntivite primaveril, na verdade, pouco tem a ver com a doença que chamamos de conjuntivite normalmente. Ela nada mais é do que uma reação alérgica aos polens liberados pelas flores nesta época do ano e está especialmente presente na região sul do nosso país.

 

Por ser uma forma de alergia ao pólen, ela é mais presente entre os meses de setembro e dezembro – por isso o nome dado de conjuntivite primaveril – e pode acontecer todos os anos. Mas a boa notícia é que ela não é contagiosa!

 

Apesar desta alergia só atingir pessoas geneticamente predispostas a ela, há algumas coisas que você pode fazer para se prevenir ou amenizar os sintomas, como:

 

  • não deixar as janelas abertas à noite;
  • não participar de atividades relacionadas a jardinagem;
  • não andar de bicicleta ou moto sem alguma forma de proteção para os olhos;
  • usar óculos escuros na rua para evitar exposição.

Seus sintomas são coceira ocular intensa, secreção, vermelhidão e aflição à luz e seu tratamento é simples. Caso você se sinta afetado por esses sintomas nesta época tão característica, marque uma consulta conosco.

 

fonte:blogvisao

Leia mais
vl_gravida-1

Dicas para cuidar da visão durante a gravidez

Entre todas as mudanças físicas e emocionais que as mulheres experimentam durante a gravidez, existe uma parcela que precisa de uma atenção especial: as possíveis alterações na visão. Mas fique tranquila: a maioria dos distúrbios é temporária – costumam diminuir principalmente nos últimos três meses de gestação e voltam ao normal após o bebê nascer.

 

Separamos aqui seis sinais de atenção:

 

Olho seco – as alterações hormonais que acompanham o período podem reduzir a umidade dos olhos. Para contornar o problema e garantir o bem estar, aposte em colírios específicos ou lágrimas artificiais aconselhadas pelo obstetra.

 

Alteração de grau – outro reflexo das oscilações hormonais são possíveis mudanças refrativas, o que pode alterar a graduação dos óculos ou lentes de contato. Converse com seu oftalmologista sobre a possibilidade de só fazer correções após a gravidez.

 

Manchas pretas – esse é um detalhe que pede muita atenção, pois tanto a visão manchada quanto a percepção de pontos podem ser sinais de pressão alta durante a gravidez. Procure o seu médico e faça um acompanhamento para evitar consequências mais sérias, como o descolamento da retina. A visão manchada ainda pode ser indício de alto nível de açúcar no sangue, o que pode ser um sinal de diabetes gestacional. Por isso vale incluir também o acompanhamento contínuo com um oftalmologista durante o pré-natal.

 

Sensibilidade à luz – sintoma geralmente relacionado ás crises de enxaqueca, ele pode surgir com mais força também devido às mudanças hormonais. Caso seja necessário fazer uso de medicação, informe seu médico para garantir a dosagem e substância mais adequada para este momento.

 

Com esse cuidados simples você garante a tranquilidade e a sua saúde durante esse momento tão único.

Leia mais
ole8

Excesso de oleosidade no rosto pode causar triquíase

Calor, alimentação inadequada e suor são fatores que potencializam a oleosidade da pele. Quando esse excesso beira os olhos e atinge a pálpebra, o risco de desenvolver triquíase é grande. “A triquíase é a alteração na direção dos cílios, que passam a entrar em contato com os olhos”, explica a oftalmologista Patricia Moitinho, especialista em pálpebras.

A triquíase é causada, muitas vezes, pelo aumento da camada oleosa sobre a pálpebra podendo levar à blefarite, a inflamação dessa região. A alteração incomoda bastante seu portador e pode agredir de forma definitiva a córnea se não for tratada adequadamente.

Um dos sintomas mais evidentes no quadro de triquíase é a sensação de areia nos olhos causada pelo atrito entre os cílios e a córnea e conjuntiva. A constância deste contato cílios/córnea pode favorecer o aparecimento de vermelhidões oculares, conjuntivites, ceratites (inflamações na córnea) que evoluem, em alguns casos, para um quadro de úlcera nessa região ocular.

Causas – Pessoas com tendência a apresentar pele oleosa, seborréia (caspa) podem desenvolver o quadro de blefarite com mais frequência, causando a granulação nas pálpebras e a inversão dos cílios. Há também casos de pessoas que sofreram traumas ou cortes nessa região e passaram a ter os cílios invertidos. Além disso, os tumores palpebrais também podem favorecer ao surgimento da triquíase. O diagnóstico é feito por meio de um exame de rotina com um oftalmologista.

Muitas vezes a triquíase é confundida com outra doença palpebral: o entrópio, por exemplo. “Esse caracteriza-se pela inversão da pálpebra e não somente dos cílios, mas pode causar os mesmos danos à córnea já que também há o atrito entre os pelos da pálpebra e a superfície ocular”, alerta a oftalmologista. Existe ainda o ectrópio, o oposto do entrópio, ou seja, no desalinhamento da pálpebra inferior, voltando-se para fora. Com isso há um fechamento irregular das pálpebras e a distribuição das lágrimas não acontece de forma eficaz. 
Pessoas em idade mais avançada apresentam com maior frequência tanto o entrópio quanto o ectrópio.

Epilação – O tratamento mais adequado para a triquíase é a epilação. “Trata-se da retirada dos cílios com cauterização do folículo piloso (raiz do pêlo) para evitar que nasça novamente”, explica Patrícia. Diante do incômodo gerado pelo atrito entre os cílios e a córnea, algumas pessoas passam a retirar os pêlos com pinças. “Isso é perigoso”, adverte. O hábito de retirar os cílios com a pinça faz os pelos crescerem mais grossos e causarem danos ainda mais expressivos à córnea.

Cuidados  Entre os cuidados que podem ajudar a evitar a oleosidade na região palpebral, amenizar os efeitos da blefarite e impedir o surgimento da triquíase estão:

- Manter as mãos limpas e unhas aparadas quando for fazer a limpeza da região ocular; 
– Evitar ingestão de alimentos gordurosos; 
– Fazer a limpeza frequente das pálpebras. Em caso de inflamação, aplicar compressas mornas sobre as pálpebras fechadas, durante 2 a 3 minutos, pelo menos duas vezes ao dia; 
– Em caso de inflamação nas pálpebras, não use maquiagem, pode agravar.

Fonte: Dr. Visão

Leia mais
Baby boy posing

Conheça a real importância do teste do olhinho para os bebês

Os exames realizados durante os primeiros meses de vida do bebê são importantíssimos para determinar a saúde dele a curto e longo prazo. Este é o caso do famoso teste do olhinho, formalmente conhecido como teste do reflexo vermelho. Trata-se de um exame capaz de prevenir doenças oculares como catarata, glaucoma e inclusive casos de cegueira.

O teste do olhinho deve ser realizado durante os primeiros 30 dias de vida do bebê e pode ser feito por um pediatra qualificado para o exame. Trata-se de um teste rápido, que dura menos de um minuto: o médico usa um instrumento oftalmológico diante dos olhos da criança e emite uma luz: se o reflexo nos olhos dela ficar vermelho, significa que está tudo bem com a visão dela. Caso exista alguma alteração, o caso precisará ser avaliado por um oftalmologista.

Segundo números da Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica, 50% dos casos de doenças oculares graves são descobertas quando os recém-nascidos já perderam parte da visão ou ficaram completamente cegos. A importância do teste do olhinho fica reforçada quando se considera a necessidade de se diagnosticar problemas oculares graves com antecedência.

fonte:portaldaoftalmologia

Leia mais
higiene_olhos

A importância da higiene ocular

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

Os nossos olhos estão diariamente expostos a muitas influências externas. Têm contato com poluentes do ar, bactérias, ar seco, vento, cosméticos, etc.

As pálpebras e as pestanas oferecem determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhos

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

determinada proteção, mas esta proteção, muitas vezes, não é suficiente, pois também a região das pálpebras e das pestanas é muito sensível. As influências externas podem dar origem a doenças inflamatórias dos olhos (por exemplo, conjuntivites) ou das pálpebras (como inflamações do bordo da pálpebra) e, evoluindo a doença, podem originar serosidades mucosas, congestão escamosa e secreções secas que, de um modo geral, podem fazer mal aos olhos, mas especialmente à córnea sensível.

 

 

Particularmente importante é uma limpeza higiênica dos olhos, mesmo após as cirurgias oculares e outros tratamentos oculares efetuados pelo oftalmologista.

Limpeza dos olhosv

Normalmente, ao lavar o rosto, os olhos ficam suficientemente limpos. Em caso de tendência geral para pele gordurosa, formação de escamas e secreções secas, deve-se prevenir inflamações do bordo da pálpebra com uma higiene intensiva e diária. É ao redor das pálpebras que se encontram as glândulas sebáceas que podem obstruir. Isto pode originar inflamações desagradáveis.

Ao redor das pálpebras deve ser limpo uma vez por dia com um cotonete, que deve ser embebido conforme se quiser, em óleo ou num xampu muito suave. Se surgirem inflamações aos arredores das pálpebras, com frequência, a congestão escamosa deve ser massageada para fora da glândula sebácea, em intervalos regulares.

A maquiagem dos olhos também requer todas as noites uma cuidadosa remoção e a limpeza da zona dos olhos. Caso contrário, durante a noite podem entrar facilmente partículas de cosméticos nos olhos e provocar irritações. Os resíduos de cosméticos também podem facilmente irritar a pele em volta dos olhos.

Ao limpar os olhos, deve-se ter atenção a que se lave sempre no sentido do nariz. Se acaso se esfregar em sentido contrário, a pálpebra inferior pode desprender-se do globo ocular, permitindo às impurezas aderirem a pálpebra e entrar nos olhos. Possíveis secreções duras e ásperas podem assim danificar a córnea.

Gels de limpeza

Para a limpeza dos olhos, também são apropriados gels de limpeza especialmente indicados para os olhos e disponíveis em bisnagas. O gel é aplicado num lenço de papel e depois aplicados nos olhos. Se usar um gel para limpar os olhos, observe sempre a data de expiração e tenha cuidado em não tocar com os dedos na abertura do tubo. Caso isso ocorra, pelo o tubo aberto, podem entrar bactérias e outros micróbios que podem fazer mal aos olhos.

Banhos oculares

Para auxílio à higiene ocular, banhos oculares são recomendados. Encontram-se disponíveis nas farmácias soros especiais para lavagem dos olhos, com a respectiva “tina para os olhos”. Estes banhos têm um efeito refrescante sobre olhos secos e irritados, após muito tempo de trabalho no computador, leitura, televisão, etc. Pessoas com alergias podem encontrar alívio com banhos oculares, com a remoção de poeira e pólen. As lavagens oculares proporcionam também um primeiro socorro em caso de corpos estranhos nos olhos ou causticações com produtos químicos. Mas nestes casos, deve consultar-se de imediato um oftalmologista.

Cuidado com as receitas caseiras

Pede-se um especial cuidado na utilização de remédios caseiros, como, por exemplo, lavagens com camomila. A camomila é conhecida pelo seu efeito calmante, sendo isto correto em muitos casos. Mas nos olhos, segundo os mais recentes estudos, atua de forma secante. Além disso, o extrato de camomila contém, em muitas vezes, o pólen de plantas, que em algumas pessoas pode provocar reações alérgicas. Se a solução de lavagem dos olhos produzida por si permanecer algum tempo e arrefecer, torna-se uma base ideal para bactérias e outros micróbios. Daí que, na higiene dos seus olhos, deva preferir os preparados testados recomendados pelo seu farmacêutico ou oftalmologista.

Cuidado com a pele

O cuidado da pele sensível em redor dos olhos também faz parte da higiene ocular. Nesta região, é fácil originar-se secura e formação de rugas, pois a pele em volta dos olhos é muito fina e é ”almofadada” só um pouco pela gordura do tecido subcutâneo e o tecido conjuntivo. É importante manter-se a umidade da pele. Para isso, os cremes e gels das várias séries de produtos de cuidados da pele, que também são indicados para olhos sensíveis e portadores de lentes de contato podem ser úteis. Informe-se com exatidão e experimente os diferentes produtos para descobrir qual melhor se adequa a si.

 

Leia mais
Businesswoman Examining Her Bank Investment on the Internet

4 dicas para proteger seus óculos e fazer com que durem mais

Para quem usa óculos, eles são itens indispensáveis para o dia a dia. Portanto, o ideal é que durem o máximo possível antes que seja preciso trocá-los. Só que certos hábitos podem comprometer a integridade dos óculos e fazer com que eles durem bem menos tempo do que deveriam.

Com os cuidados certos, você pode garantir que os seus óculos durem bem mais tempo. Basta seguir as nossas dicas a seguir:

1. Limpe-os corretamente

Você costuma limpar os seus óculos na roupa quando percebe uma mancha? Cuidado: este hábito diminui substancialmente a vida útil das lentes, além de não ser muito eficiente para se livrar da sujeira. Em vez disso, use o pano de microfibra que veio junto com o estojo dos seus óculos.

2. Guarde-os adequadamente

Falando nos estojos, eles são os locais ideais para guardar os seus óculos. Não os deixe em qualquer lugar, e em hipótese alguma com as lentes viradas para baixo. Ao fazer isso, elas podem arranhar. O estojo oferece toda a proteção para os seus óculos durarem mais.

3. Cuidado durante os esportes

Ao realizar atividades físicas, seja na ida à academia ou durante a prática de esportes, é preciso ter cuidado com os óculos. O suor possui características que causam a corrosão da maioria dos materiais que compõem as armações. Para estes casos, prefira usar um óculos velho de reserva.

4. Mantenha-os longe das crianças

Os seus óculos não são brinquedo, mas podem ser muito interessantes para crianças pequenas. Portanto, guarde sempre os seus óculos longe dos pequenos, já que qualquer movimento em falso pode comprometer a integridade deles. Além disso, caso quebrem, as lentes podem causar ferimentos.

Ao seguir estas dicas, você vai garantir que os seus óculos continuem eficientes por mais tempo. Lembre-se de fazer visitas regulares ao oftalmologista para ficar com a saúde ocular em dia.

 

fonte: visaolaser

Leia mais
Doctor Checking Patient's Eyes

Pressão ocular alta pode representar perigos para a saúde dos olhos

Você sabe como está a sua pressão ocular?

Não? Pois então precisa marcar logo uma consulta com o oftalmologista.

Monitorar a pressão ocular é muito importante porque, caso ela fuja do controle, podem ocorrer muitos problemas de visão. E o pior: pressão ocular alta não causa dor, fazendo com que o paciente nem saiba do problema.

A pressão ocular diz respeito ao quão comprimidas estão as células dos nervos ópticos. Quando aumenta, causa dores de cabeça, enjoo, alta sensibilidade à luz, entre outros sintomas. Além disso, a pressão ocular alta contribui para prejudicar a saúde ocular, podendo causar até cegueira.

Mal silencioso

Quem sofre com pressão ocular alta demora a perceber os seus efeitos. Isso ocorre porque este sintoma não causa dor. Quando eventualmente ela chega, a visão já foi prejudicada além do ponto que é reversível. É por conta disso que é tão importante realizar consultas regulares ao oftalmologista, já que a medição da pressão ocular faz parte dos exames de rotina e é possível detectar o problema cedo.

Caso não seja diagnosticada oportunamente, pode ser tarde demais para reverter os males causados pela doença na visão.

 

fonte: visaolaser

Leia mais
Tired Woman Working with a Computer

Previna-se contra os perigos do olho seco

Você já ouviu falar em olho seco?

Trata-se de um problema ocular primariamente caracterizado pela falta de hidratação adequada nos olhos. Isso causa uma série de problemas para a saúde ocular, já que eles precisam estar sempre lubrificados para funcionarem adequadamente.

Assim como em qualquer outra condição ocular, o olho seco precisa ser tratado pelo oftalmologista. Ele vai avaliar a pré-disposição dos seus olhos a sofrerem com desidratação e receitar um tratamento que busque lubrificá-los.

Algumas das formas mais comuns de tratar olho seco é com o uso de colírios específicos, também chamados de lágrimas artificiais. Eles geralmente são indicados para casos mais simples e podem vir em forma de gel, também.

Vários fatores podem provocar o olho seco. Entre elas, o uso de lentes de contato, exposição excessiva a ar condicionado ou ventos, altas altitudes, poluição, entre outros. O olho seco também pode ocorrer por conta de deficiência em vitamina A e doenças como artrite, doenças da tiróide, mal de Parkinson e outras.

Leia mais